quinta-feira, 17 de Abril de 2014

My body is a wonderland

Quando era adolescente detestava o meu corpo.Olhava-me ao espelho a maldizer a minha sorte, as minhas pernas compridas, a minha - achava eu na altura - pancita, as mãos grandes, tudo era feio.
Hoje o meu corpo é outra coisa. É um trampolim, uma parede de escalada, um tapete de actividades, um elevador, uma roda gigante, uma montanha russa. A minha filha usa-me a seu belo prazer, sobe por mim acima, estica os braços a pedir colo e saltos para o ar, usa-me como apoio para se pôr em pé, salta em cima da minha barriga e ri-se. Ri-se muito. E eu penso naquela adolescente cheia de complexos, com a testa oleosa típica da idade e tenho pena dela. Gostava de ir lá atrás, 18 anos lá atrás, e dizer-lhe que não se preocupe. Que nada daquilo tem importância. Que um dia aquele corpo que detesta vai ser a coisa preferida da menina mais incrível que alguma vez conhecerá. Que aquele corpo que não pode nem ver ao espelho, vai criar um ser perfeito que se irá tornar a coisa mais importante da vida dela.
Hoje gostava de estar menos flácida e mais resistente. Mas depois lembro-me no que este corpo já me deu, do que já aguentou, no que hoje representa para ela, e faço logo as pazes com ele. Pode não ser perfeito, mas é do cara***.  

quarta-feira, 16 de Abril de 2014

Amanhã ainda não sabem onde vão?




Aqui, pois claro. Amanhã, na Fnac do Chiado, às 19h. Vamos todos, sim?

terça-feira, 15 de Abril de 2014

Simplesmente Maria


































Ainda não viram a peça de teatro mais divertida dos últimos tempos? A com melhor cenário? Melhor guarda roupa e efeitos especiais? Como não? Andam todos a dormir?
As boas notícias é que tenho um convite duplo para oferecer para o dia que quiserem. Para isso basta responder à pergunta "quantos likes tem a página de Facebook do 'Simplesmente Maria' neste preciso momento em que lêem isto?" Ora a primeira coisa a fazer é ir AQUI (cliquem) ao facebook da peça. Vão, que eu espero. Aproveitem e cliquem no botão "gosto". Já está? Lindos meninos. Depois mandem um email para mim (oblogdesassossegado@hotmail.com) com o dia em que querem ir ver a peça e já está. O primeiro a responder, ganha. Mas depois não se desculpem com não terem conseguido ganhar para não ver a peça. É que vale mesmo a pena e eu nem gosto de teatro (true story). É mesmo divertida. E tem uma série de efeitos sonoros à moda antiga, feitos com utensílios de cozinha e coisas que tais. O ponto de partida é a novela radiofónica dos anos 70 e mais não digo. Vão gostar, prometo.
O teatro é o da Malaposta (site aqui), a peça está até 27 de Abril e no domingo de Páscoa não há peça, não se esqueçam. Há bilhetes à venda na ticketline (cliquem aqui) mas digo-vos já que é barato, baratinho: €10 para pessoas crescidas e €7,50 para estudantes e maiores de 65 anos. levem os vossos avós, tios, filhos, namorados, maridos, mulheres.

Boa sorte miúdos!

segunda-feira, 14 de Abril de 2014

15/52*



































*Obrigada à Vânia que tirou esta fotografia 

sexta-feira, 11 de Abril de 2014

Os meninos que assobiam

Ontem estava na varanda a fumar um cigarro, acompanhada pelas minhas alfaces, como que a auto premiar-me por ter superado a prova "deitar a Amália que agora só quer é brincar e odeia dormir" quando passou uma moça a correr. Leggings pretas, top colado ao corpo, braçadeira com iphone e phones nos ouvidos (havia de ser onde?). E lá ia ela, de rabo de cavalo, a correr, corpo que me deu alguma inveja mas é bem feita porque não mexo (ainda) uma palha. À porta de um prédio estavam quatro rapazolas, crescidos, a fumar e a falar, tudo normal, riam-se e coiso. E a moça saudável passou, concentrada na sua corrida, não olhou para nenhum, sempre em frente é que é o caminho. Mas os rapazolas pararam e ficaram a olhar, assobiaram e disseram coisas porque em grupo são todos uns corajosos e não havia maneira de desviarem os olhos do rabo da moça já ela ia no fim da rua. E fiquei enervadíssima e com vontade de descer e de lhes dar com uma frigideira na cabeça, a única coisa que tinha ali à mão capaz de os aleijar (facas era capaz de ser extremo). Quem é que deu a estes e a outros rapazolas o direito de tratarem assim as mulheres? Eles já nascem assim? Quem que lhes disse que é ok olhar sem parar como quem quer comer, assobiar e dizer coisas que na cabeça deles soam a elogios mas na verdade não passam de ofensas. Porque é que os homens acham normais este tipo de assédios e ficam com aquelas caras de imbecis como se tivessem dito uma tirada inteligente a darem mentalmente pancadinhas nas costas a eles próprios. O que eu gostava de saber é quando é que isto vai parar quando é que as mães e os pais dos miúdos que agora ainda são crianças lhes explicam que isso é feio, uma falta de respeito, que aquelas raparigas a quem dizem coisas e assobiam são irmãs como as deles, são mães como as deles, são filhas como as deles, são pessoas e merecem - têm - ser tratadas com o mesmo respeito que eles. Isso, ou estas moças começarem a ir correr com um taser debaixo do braço.

quinta-feira, 10 de Abril de 2014

Os lenços da Vânia

























Quem ainda não se inscreveu, ainda vai a tempo. Sábado, às 14h, a Vânia lá estará, cheia de amor e lenços para dar. Graças às marcas que quiseram fazer parte desta festa, vamos ter muitas surpresas para as mulheres a enfrentar (ou que enfrentaram há pouco tempo) a quimioterapia. Até uma noite no Penha Longa, em Sintra, será sorteada para uma das participantes.Chique a valer. E o resto das prendas? Ui. E o lanche saudável? Mais ui. A sério, vai ser do caraças.

Vamos lá, inscrições em imprensa@minhavidacomigo.com

terça-feira, 8 de Abril de 2014

Foi há 20 anos # 7





No dia em que vi este filme no cinema apaixonei-me pelo Brad Pitt. Mas amor à séria, com o coração descompassado a querer fugir-me do peito, sonhos românticos e fantasias parvas. Achei que ele era o homem mais bonito que alguma vez tinha visto. 20 anos depois continuo a achar o mesmo. Este homem, caramba, é um bonitão. O tempo passa mas o encanto dele fica. E como. (Angelina Jolie és uma vaca do inferno) Peço desculpa. Quando vi "Lendas de Paixão" odiei a sonsa da Julia Ormond e mais a india não sei quantas que no fim fica com o Brad que no filme se chamava Tristan, há lá coisa mais linda?

Tenho para mim que se visse o filme hoje voltava a apaixonar-me por ele outra vez como se tivesse 15 anos outra vez.

segunda-feira, 7 de Abril de 2014

quarta-feira, 2 de Abril de 2014

O que eu aprendi com filme "Sei lá" ou o que Margarida Rebelo Pinto me ensinou - update

Que os homens são todos uns cabrões.
Que as queques gozam com os betos.
Que a mulher deve sempre ficar com o seu marido mesmo que ele a encorne a toda a hora com todas as outras e lhe minta sem vergonha.
Que uma mulher, assim que arranja um homem, deve imediatamente deixar de trabalhar.
Que os homens são todos uns cabrões.
Que em 1999 ainda de ouvia Lena D'Água e Ban nas discotecas e bares de Lisboa. E o Dunas dos GNR.
Que as mulheres da Margem Sul são umas bimbas.
Que as mulheres quando se juntam só têm um assunto: os homens.
Que a vida são dois dias "um para foder e outro para ser fodida".
Que os homens são todos uns cabrões.
Que no final dos anos 90 os jornalistas tinham assistentes (eu também queria uma).
Que os terroristas da ETA costumavam pôr bombas fora de Espanha nomeadamente em Portugal.
Que uma única mulher, em duas ou três frases, consegue enxovalhar e quase acabar com a luta feminista.
Que a Margarida Rebelo Pinto há pessoas que, por decreto lei, deviam ser proibidas de escrever.
Que é possível rir muito num filme que nem sequer é uma comédia.


terça-feira, 1 de Abril de 2014

Sudoeste é morto

É oficial. O Festival do Sudoeste desistiu de tentar ser fixe. Acabou-se. Lembram-se daqueles músicos incriveis que costumavam lá ir? Lembram-se do Beck, do Jamiroquai, da PJ Harvey, dos Bush (que eu nunca gostei mas percebo a cena), dos Beirute, dos Marilyn Manson, Blur, Divine Comedy, Faith No More e outras dezenas de bandas? Esqueçam. Acabou-se. A Zambujeira do Mar agora é casa de coisas como Dimitri Vegas e Like Mike (whaaaaaat?), Martin Garrix (quem?), Alesso (wtf?), entre muitos outros nomes esquisitos de malta pirosa que não faz exactamente música mas uma coisa qualquer que calha ter notas musicais. A melhor coisa deste festival é uma banda portuguesa e isso diz muito (5-30 a nova banda do Fred e do Carlão). E fico triste, com certeza que fico. Era o festival mais fixe, no lugar mais cool, recinto bom e espaçoso, a praia mesmo ali ao pé. Ambiente descontraido e divertido, sem merdas nem manias, só algum pó mas nada que se compare ao Meco. Valha-nos o Alive. Se quiserem rir um pouco ou sentirem-se os maiores ignorantes do panorama musical trash merda pop (definição inventada por mim), cliquem aqui. Vai ser rir a bom rir. Ou então chorar, não sei bem.